Guia DTR de viagem: Jericoacoara, CE

22:42 Rafaela Marreiros 0 Comments

Ahh Jeri....um paraíso perdido na Terra. Vibe de praia já é “sussa”, só que Jeri tem uma vibe je ne sais quoi que é única daquele lugar. Quem é apaixonado por praia e natureza como eu e já foi em Jeri sabe o que estou falando. Passei uma semana naquele paraíso, recarreguei minhas energias e me reconectei com a natureza e irei compartilhar minha experiência aqui no blog. Elaborei um “travel guide” de Jeri para vocês e espero que quando forem desfrutem de cada pedacinho desse lugar “Mara”.



Como chegar

Jericoacoara é um parque nacional, uma área de preservação ambiental, então você não encontrará estradas asfaltadas, mas muitas dunas e areia pelo caminho. Fomos de ônibus saindo de Teresina para Fortaleza. Não tenho experiência em dirigir na estrada ainda mais em serra, então optei pela opção mais viável para mim. Chegando em Fortaleza, pegamos outro ônibus para chegar em Jijoca. A empresa que faz essa rota é a Fretcar, acho que é a única empresa do Ceára que faz, I’m not sure. É bem mais cansativo saindo de Fortaleza, porque são umas 6 horas de viagem até Jijoca somadas às 10 horas da viagem The-For já se vão umas 17 horas de viagem contando o trecho Jijoca-Jeri. Há outras opções partindo de Fortaleza, como 4x4, vans e até helicópteros se você tiver alguns trocados para desembolsar rsrs; é só pesquisar bem e ver qual a opção vale mais a pena em termos de custo-benefício.

Dica Bônus: Saindo de Sobral, você leva só umas 3 horas para chegar em Jeri. Se soubéssemos disso, teríamos descido em Sobral e pego algum transporte lá mesmo.

Onde ficar

Em Jeri, o que não falta é lugar para você se hospedar. Pousadas tem aos montes bem como hotéis (já um pouco mais caros), e hostels para quem quer economizar mais e conhecer pessoas. Por indicação de um amigo e pelo seu custo-benefício, fiquei hospedada na pousada Ibiscus e adorei o lugar. Acabamos ficando em um quarto bem espaçoso com a melhor varanda da pousada (amei deitar naquela rede e ficar “de boas” rsrs ). A pousada fica na rua do Forró, um pouquinho só afastada da muvuca da rua principal (Jeri só tem umas 4 ruas, lá se faz tudo a pé). Adorei a pousada, muito bonita, quartos limpos, espaçosos e confortáveis. O único “porém” para os amantes de tecnologia é que a internet da pousada é ruim e fica oscilando. O melhor lugar, que descobri depois de dois dias lá, era na varanda, onde a internet era mais rápida.

Observação Bônus: No geral, em Jeri, principalmente se seu telefone é da claro, internet não pega tão bem. No meu caso eu só pegava internet só quando estava na pousada. Para quem está indo com o objetivo de se desligar do mundo digital isso não vai ser um problema haha.


O que fazer

Além de aulas de surf, windsurf, kitesurf e stand up paddle, Jeri oferece seus famosos passeios pelos seus lados Oeste e Leste. O passeio do lado Oeste, que vai até Tatajuba é o melhor, em minha opinião. É mais “radical”, digamos assim, enquanto que o do lado Leste, que é o passeio para as Lagoas Azul e do Paraíso, é mais para você relaxar. Fizemos os dois passeios de buggy e dividimos com outros dois casais. Em um buggy cabe 4 pessoas, uma vai na frente e as outras três em cima pegando muito sol e vento. Eu adorei ter ficado em cima porque pela primeira vez na minha vida não fiquei vermelha camarão, mas sim bronzeada (tava já me achando com aqueles bronzes estilo Califórnia kkk #aloka ). 



No passeio de Tatajuba, vale a pena fazer tudo do passeio: entrar num barco para ver cavalos-marinhos caso você nunca tenha visto um (paga-se 10 reais por pessoa e é aparte do valor pago pelo passeio); descer de skibunda ou sandboard nas dunas (fiz os dois e você paga 15 reais para descer à vontade); almoçar numa lagoa enorme com um cardápio “ao vivo”, já que eles mostram para você os peixes, lagostas e camarões antes de irem para panela e você escolhe qual você quer (pagamos 130 reais por um peixe-refeição que serviu 4 pessoas). 





Já no passeio das lagoas, eu acho que só vale a pena mesmo a lagoa do paraíso, é tanto que tem “jardineiras” que levam mais pessoas e você só paga 30 reais (ida e volta) e eles te levam direto para a lagoa do paraíso. Lá tem mais estrutura que a lagoa azul que não estava tão cheia e que para confessar, eu esperava mais. É nesse passeio que tem a ida à pedra furada, que dizem que é uma “furada”, porque você caminha muito. Acabamos não indo à Pedra Furada por causa do horário, pois depende-se da maré para ir até lá. Na lagoa do paraíso, ficamos na barraca mais badalada de lá e com a melhor estrutura que foi a Alchymist Beach Club. Nosso bugueiro nos levou para lá já que eles ganham almoço e se duvidar alguma comissão por levar turistas para certas barracas. Há outras barracas na lagoa, só que mais afastadas, mais simples e mais baratas. Mas, como ele nos levou para lá, mesmo sabendo que era a mais cara, resolvemos ficar, era só por um dia mesmo. E lá, é para relaxar. Achei mais bonita que a lagoa azul. Na lagoa do paraíso a cor da água era de um tom verde transparente depois ia escurecendo, perfeita para ficar “de boas”. Os dois passeios dão para fazer em dois dias.  



Cuidado: Lugares turísticos sempre querem explorar o turista o máximo que puderem. Isso é uma prática comum em qualquer lugar do mundo. Minha tip é: negociem o preço dos passeios, barganhem se possível. Fui em alta temporada e é normal que tudo seja mais caro. O passeio de buggy para Tatajuba custa em média 300-350 reais e o das lagoas 200-250. No de Tatajuba pagamos 175 para duas pessoas, só que o outro casal pagou 150, ou seja, ganharam 25 reais a mais em cima de nós. Eles acabaram passando valores diferentes para nós e o outro casal e só viemos descobrir mais tarde. Mas, acabamos que fizemos amizade com esse casal e nos dias seguintes eles viraram nossa companhia para curtir Jeri. Dos males o melhor, não é mesmo?!

Explore Jeri

O melhor passeio que fizemos, em nossa opinião, foi 0800 e em Jeri mesmo. Desbravamos Jeri, subimos numa espécie de montanha, depois descemos para uma praia linda linda linda (a mais linda que já vi), com a água em tom de azul turquesa escondida ali entre aquelas pedras e a altura em que estávamos (não parece na foto, mais era muito alto). Descer mesmo na areia quente não foi tão difícil, o ruim foi subir. Haja fôlego e força, mas faria de tudo de novo, pois valeu muito a pena e foi total free !






Onde comer

Restaurantes tem aos baldes em Jeri. Para todos os gostos. Separei alguns que mais gostei. Comer foi o que mais fiz nessa viagem, existe coisa melhor?! Haha Só que engordei 2kg, nunca em tão pouco tempo “ganhei corpo” assim. Quando fui vestir a calça que tinha vindo com ela, nossa super acochada (mas para quem perde kg facilmente como eu, achei uma maravilha).
Sim, voltando ao assunto dos restaurantes. Em média se gasta uns 50 a 70 reais para duas pessoas. Geralmente os pratos são individuais, mas há sempre as opções dos pratos executivos, vulgo “pfs”, que servem bem e matam a fome! Para os açaí lovers como eu, há várias opções onde se encontrar um bom açaí.













Muqueca de Arraia, prato individual, uma delícia!









Enjoy Jeri

Aproveitem ao máximo esse lugar de vibe tão positiva e relax. Experimentem as bebidas com os nomes mais inusitados como “xoxota” ou um bom mojito. Pratiquem seu inglês, espanhol ou francês com os gringos. Subam na duna do pôr-do-sol e contemple o astro rei repousando. Entrem no mar, subam e desçam dunas, mergulhem em lagoas de águas claras e apreciem a vista sem filtro ou celulares.










A vida é curta demais, para ficarmos no mesmo lugar a vida toda. Let’s travel!

0 comentários: