#NOMAKEUP: Qual a real beleza por trás da maquiagem

08:54 Rafaela Marreiros 0 Comments


Já se passou alguns dias da tão “polêmica” aparição da Alicia Keys no VMA 2016 sem maquiagem e que levou à várias críticas e comentários maldosos de muitos. No entanto, muito antes do evento, ela já havia se pronunciado a respeito do assunto. E, diante dessa “polêmica”, resolvi escrever esse post de uma forma diferente. Ao longo da semana, vocês irão acompanhar mais dois posts dedicados ao tema expondo pontos de vista diferentes que contribuem para o debate do tema em questão: “qual é a real beleza por trás de uma maquiagem?!”. O objetivo aqui é questionar o uso da maquiagem como forma de camuflar sua real beleza.

Photo by Paola Kudacki Source: http://www.lennyletter.com/style/a410/alicia-keys-time-to-uncover/

Quantas e quantas meninas ao redor do globo não amam make up?! Quantas não saem de casa se não passaram base, corretivo e rímel?! E, quantas postam uma foto sem usar nenhuma make?! Que a sociedade impõe padrões, isso todo mundo sabe. O padrão do corpo ideal, da beleza ideal, do casamento ideal, do emprego ideal, etc. Nos últimos anos, estamos vendo uma luta pela quebra desses paradigmas impostos pela society. Moda agênero, modelos sendo descobertos mais pelos seus estilos e por suas personalidades do que pelo padrão comercial ou de passarela, moda plus size, empoderamento feminino, cabelos ao natural, etc. Diante desse contexto de luta por quebras de paradigmas, não consigo entender esse espanto e alvoroço exagerado em relação a decisão de uma mulher de não usar maquiagem em um evento para o qual foi convidada.


A decisão cabe somente a ela, pois o rosto é dela, o corpo é dela bem como sua personalidade e atitude perante a sociedade. Em seu statement (que vocês encontram na íntegra aqui), Alicia abre seu coração e fala de suas frustrações desde criança quanto a não poder usar seu cabelo cheio de frizz do que jeito que ele era, mas sim tendo que amarrá-lo o mais apertado possível contendo-o para se encaixar em uma foto de escola, a qual os outros buscavam um ideal de perfeição. Na adolescência, quando todas as “pretty girls”, usavam batom, delineador e rímel, ela se sentia desconfortável consigo mesma ou simplesmente não vista. Foi aí que percebeu que para “ser vista” ou considerada bonita, ela teria que se cobrir para chegar perto de ser considerada “perfeita”. Para entender sua decisão que nos fazer refletir também, vale a pena a leitura, a recomendo.


Alicia tomou uma decisão que abre espaço para um movimento questionador e libertador até, do uso da maquiagem como forma imposta pela sociedade para nos sentirmos mais próximas de um padrão real de beleza intangível. Que fique claro, que aqui não estou condenando o uso de make up, quem não fica mais bonita com um batom vermelho ou com um olhar realçado através de um rímel?! Meu questionamento aqui é sobre a auto aceitação, sobre nos amarmos por quem realmente somos debaixo de uma base, corretivo e pó; é sobre nos olharmos no espelho após acordar e disséssemos: “Nossa como você É bonita, Camila”. Eu, particularmente, tive minha fase addicted por make up. 


Não ia para o trabalho sem ter passado pelo menos um bb cream. Batom para mim era essencial e até hoje o considero um item chave em uma make. Só que quando cheguei ao ponto de me olhar no espelho e não gostar do que estava vendo sem toda aquela montagem, eu parei e disse para mim mesma: Pera aí Rafaela, você não está gostando de se ver no espelho como você realmente é?! Se for assim, tem alguma coisa errada. E foi aí que parei para repensar o uso da maquiagem na minha vida. Eu estava cobrindo quem eu realmente era e gostando mais da persona com maquiagem do que sem maquiagem. Pois é meus caros, cheguei a esse ponto. A partir daí tive que trabalhar minha baixa estima e transformá-la em autoestima. Tive que parar de usar make por um tempo e apreciar minha beleza natural por mais tempo. E foi assim que encontrei um equilíbrio. Sempre gostei do mais natural possível apesar de nos últimos tempos não ter sido tão natural. Hoje, gosto sim de me maquiar, mas não deixo de me apreciar naturalmente também. A melhor “make up “que podemos usar, em minha opinião, são nossas personalidades, qualidades e defeitos, pois são eles que embelezam nossa alma.


E, para você, qual é sua relação com a maquiagem?! É uma relação sadia ou não?! Deixem nos comentários suas opiniões e visões sobre o assunto. 

0 comentários: